Por Rabino Arieh Raichman
Beit Chabad de Manaus - Manews

Antes de falecer, Yaacov pediu a D'us para lhe conceder uma morte lenta, apesar de mais dolorosa. Seu pedido parece estranho, pois naquela época quando alguém adoecia morria imediatamente. Graças ao pedido de Yaacov, D'us concedeu a partir dele um espaço de tempo para poder se despedir, refletir e reparar seus erros antes de partir desse mundo.

Enquanto Yaacov estava deitado em seu leito de morte no chão, ele chamou todos seus filhos e os abençoo. Nenhum deles sentou-se em sua presença, pois nossos sábios ensinaram que sob a cabeceira da cama de um doente- paira a Presença Divina. Conforme registrado nos Salmo 42:4, "O Senhor o fortalecerá em Seu leito de aflição".

Seria um desrespeito para D'us se alguém sentasse em altura superior à Presença Divina. No entanto, hoje em dia que normalmente o doente deita em uma cama, é aceitável se sentar em uma cadeira (mas não na própria cama do enfêrmo).


Abraham Kasinski z”l foi um empresário que fundou a Cofap e a Kasinski Motos. Poucos meses antes de seu falecimento, tive a oportunidade de visitá-lo em S. Paulo. Em sua velhice ele perdera a maior parte de seu poder de expressão e devido à doença se agitava quando era tocado. Nas visitas anteriores pude colocar tefilin com ele, mas sempre com dificuldade para colocar o tefilin da cabeça. Certa vez ao visitá-lo, decidi colocar pelo menos o tefilin do braço, já que são mandamentos separados.

Ao começar a recitar o Shemá com ele, Kasinski levantou ambas as mãos e apontou para sua cabeça, lembrando-me que faltava o tefilin. Pensei que ele não estava atento ao que estava acontecendo, mas ele estava. Lembrou-me de respeitar a Presença Divina que estava pairando sobre sua cabeça.

Que Mashiach venha agora e então reencontraremos aqueles que tivemos a oportunidade de dizer adeus e aqueles dos quais não tivemos a mesma sorte, e não pudemos nos despedir.