Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Que se Preocupem com os Terroristas

Que se Preocupem com os Terroristas

 E-mail

Por Osias Wurman
Cônsul honorário de Israel no Rio de Janeiro
Publicado em O Globo

Alguns dias antes do massacre terrorista em Paris, em 13 de novembro, a União Europeia (UE) aprovou a discriminação dos produtos israelenses originários da Cisjordânia, onde 15 mil palestinos ganham o pão de cada dia como operários das empresas israelenses ali estabelecidas. Em uma mesma medida, a UE conseguiu agredir um Estado membro da ONU e afagar os movimentos de boicote que cultuam o ódio e o terror.

Até agora, nada foi dito pelos europeus, de forma crítica e contundente, sobre os apunhalamentos, atropelamentos e fuzilamentos de que são vítimas os cidadãos israelenses nos últimos meses. Vale lembrar que o DNA dos atentados em Paris e no Oriente Médio é o mesmo: matar civis a sangue frio, de forma inesperada e violenta, com o objetivo de implantar o medo e o terror entre indefesos.

Em 29 de novembro, completaram-se 68 anos da “Partilha da Palestina”, resolução das Nações Unidas que decidiu, em 1947, a divisão da região em um Estado árabe e outro judeu. Passadas quase sete décadas, ainda não surgiu um só líder palestino que tivesse aceitado admitir publicamente, em alto e bom som, o caráter judaico do Estado de Israel. Sem esta explícita aceitação, não haverá a tão desejada paz entre israelenses e palestinos. Por esta teimosia, pagam os que vivem as agruras em Gaza e na Cisjordânia, bem como os milhares de refugiados palestinos que habitam os países árabes vizinhos.

Não podemos também esquecer que mais de 23 mil israelenses tombaram, em 67 anos de independência, defendendo o direito à existência do Estado judaico.

O poder político da União Europeia é enorme e poderia ser usado a favor de um breve restabelecimento nas negociações diretas entre palestinos e israelenses. No entanto, os 28 países do Velho Continente optaram pelo caminho demagógico de contemplar a multidão, em vez da razão, estimulando as investidas dos movimentos de deslegitimização de Israel, chegando ao cúmulo de pretender rotular e segregar bens de consumo popular em nome da paz.

Os europeus ainda não mostraram pleno entendimento em assuntos emergenciais no quintal da própria Europa e já apontam um dedo torto numa região tão complexa como o Oriente Médio. Na verdade, deveriam tratar da onda imigratória que invade a Europa, assunto prioritário para seus cidadãos, e que já divide nações como a hospitaleira Alemanha e a refratária Hungria.

Antes de tentar imiscuir-se nos assuntos do enigmático Oriente Médio, rotulando e discriminando produtos israelenses, os europeus deveriam carimbar os terroristas que circulam livremente em seus países, provocando mortes, pânico e repúdio mundial.

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
1 Comentário
1000 Caracteres restantes
Anônimo Rio de Janeiro 22 Janeiro, 2016

O Brasil também As poucas palavras do Cônsul Osias Wurman carregam coerência.
Dentre os princípios que regem as relações internacionais, a reciprocidade se destaca nesse caso. Como se pode legitimar quem deseja me destruir?
No caso do Brasil, infelizmente, o populismo e a ideologia cegaram o atual governo, que faz tudo para parecer "politicamente correto" a um certo grupo político. Entretanto, se "esquece" de ser politicamente correto com Israel. Nesse momento, sinto-me envergonhado com o que ocorre no meu país.
Tudo isso me fez lembrar de um ditado popular espanhol: "cría cuervos, y te sacarán los ojos".
Até quando criaremos corvos em nosso quintal? Reply