Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Israel na visão de Martin Luther King

Israel na visão de Martin Luther King

 E-mail

No feriado nacional que marca a morte de Martin Luther King, Jr. diversas organizações judaicas americanas prestaram homenagem ao grande líder do movimento dos direitos civis, assassinado há quase 40 anos.

Em 1959 o reverendo King visitou Israel e declarou que “o direito de Israel de existir como um estado seguro é incontestável.”

Nove meses após a Guerra dos Seis Dias afirmou publicamente que “a paz para Israel significa segurança, e devemos nos erguer com todo o nosso poder para proteger o seu direito de existir e a sua integridade territorial. Vejo Israel como um dos grandes postos avançados da democracia no mundo, e um exemplo maravilhoso do que pode ser feito, de como um deserto pode ser transformado num oásis de irmandade e democracia.”

Muito citada é uma “carta a um amigo anti-sionista” que Martin Luther King teria publicado em 1967, na qual teria escrito: “ O que é o anti-sionismo? É a negação ao povo judeu do direito fundamental que nós justamente clamamos para o povo da África e que livremente concedemos às outras nações do globo. Meu amigo, é a discriminação contra os judeus por eles serem judeus. Em suma, é o anti-semitismo”.

Infelizmente, não há evidência de que essa carta tenha sido publicada. O que é comprovada é uma resposta que ele deu pouco antes do seu trágico assassinato a um estudante da universidade de Harvard: “Quando alguém critica os sionistas, quer dizer judeus – trata-se de anti-semitismo!”

Com relação à repressão dos judeus da antiga URSS, naquela época, declarou: “Não posso ficar indiferente, embora eu viva nos EUA e embora seja um negro americano (...), porque o que acontece com vocês [referindo-se aos judeus da União Soviética] acontece comigo e temos de nos preocupar”.

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
2 Comentários
1000 Caracteres restantes
Anônimo 12 Fevereiro, 2017

O Messiânico que segue a palavra de Elohim ama Israel. Martin foi um exemplo disso. Independente de diferenças religiosas, nós que cremo no Messias de verdade amamos Elohim, a Torá e os Judeus. Shalom meus irmãos! !!! Reply

Graça Fabrício Fortaleza, Ceará/Brasil 23 Junho, 2015

O Dr. King foi um homem pleno de ideais, e teve sua vida ceifada prematuramente por um povo que odeia homens e seres humanos pela cor de sua pele. O Dr. King mesmo após 40 anos continua sendo inspiração e exemplo para as novas gerações. Reply