Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Quem Sou Eu Para Trazer Mashiach?

Quem Sou Eu Para Trazer Mashiach?

 E-mail

Pergunta:

Se todos os grandes sábios, místicos e povo santo de gerações passadas não foram capazes de trazer Mashiach durante suas vidas, como podemos imaginar que seremos capaz de fazer isso acontecer?

Resposta:

Algo a ser considerado sobre a Redenção é que não se trata de uma proposição de tudo ou nada. Trazer Mashiach não é uma responsabilidade exclusiva que recai em uma única geração. É o culminar de um esforço coletivo, um acúmulo de bondade ao longo do tempo. E a bondade não desaparece.. Além disto, há um benefício específico em pertencer a esta geração.

Os mestres chassídicos ensinam que a finalidade da Criação é fazer deste mundo uma moradia para D’us. Não um mundo de anjos, nem um reino celestial de almas e seres espirituais—mas um mundo terrestre, palpável, fisicamente mundano. A fim de trazer mashiach, é nisto que precisamos trabalhar – trazer D’us para a Terra.

Deixe-me perguntar: Existe alguma geração que melhor se qualifica como sendo “abaixo da terra” "down on earth” no chão” que a nossa? Para Mashiach chegar a Divindade deve ser revelada em nós. O que os cabalistas chamam de “Reinos Inferiores “. De fato, a geração antes da vinda de Mashiach é chamada de o “calcanhar de Mashiach” pois o mundo encontra-se em seu nível mais baixo desde a revelação no Sinai.

Quando eu era jovem, eu costumava costurar tapeçarias. Uma de minhas primeiras obras era a imagem de uma casa típica, rodeada de flores coloridas e árvores com um céu de um azul brilhante pincelado por nuvens de tons brancos, cinzas e carregadas por cinza escuro. Enquanto eu costurava, decidi que os tons cinzas das nuvens eram muito tristes e decidi substituí-los pelo azul brilhante e branco. Ao terminar o tapete o resultado não me pareceu nada bom... Aqueles tons escuros, acinzentados e melancólicos eram necessários para retratar a imagem. Claro, os vermelhos vitais, rosas, amarelos e verdes vibrantes compuseram a imagem – mas sem os cinzas, as nuances de marrom e os pretos a imagem não destacou toda sua beleza e perfeição.

Todos e cada um de nós tem um papel fundamental na elaboração da imagem divina e em trazer Mashiach. Dizer para nós mesmos que não temos o poder, que somos insignificantes, sem importância ou que simplesmente não nos importamos é fruto da preguiça. Ao contrário, justamente pelo fato de que somos essas pessoas comuns, lidando diariamente com as questões mais mundanas e terrestres possíveis —justamente isto nos qualifica, mais que qualquer outra geração, a atrair D’us para a Terra. Você não pode convidá-lO a menos que você viva aqui, você mesmo!

Lembre-se, D’us nos colocou nesta posição por que Ele acredita em nós. E se ele acredita deveríamos fazer o mesmo.


Fontes:
Este conceito de D’us querer habitar nos “mundos infeirores” é destacado no capítulo 37 do Tanya.

Por Jaia Sara Silberberg
Chaya Sarah Silberberg é Rebetsin do Beit Chabad Torah Center, em West Bloomfield, Michigan, desde 1975. Conselheira, palestrante, escritora e faz parte da equipe que responde questões em Chabad.org.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Inicie um Debate
1000 Caracteres restantes