Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Por que todos precisamos do Dia Memorial do Holocausto

Por que todos precisamos do Dia Memorial do Holocausto

Por Rabi Jonathan Sacks

 E-mail

Publicado no Daily Telegraph,
27 de janeiro de 2015

O antissemitismo está em marcha mais uma vez na Europa - e nenhuma sociedade livre é construída sobre o ódio.

Hoje, o Dia Memorial do Holocausto marcará o 70º aniversário da libertação de Auschwitz. Este ano também lembraremos as 12 pessoas mortas no ataque à revista satírica Charlie Hebdo em Paris, a policial assassinada e os quatro clientes num supermercado judaico, baleados enquanto faziam compras na véspera do Shabat.

Os jornalistas e a policial foram mortos por causa daquilo que fizeram: satirizar o profeta Maomé e proteger o povo. Os fregueses judeus foram mortos por causa daquilo que eram. Eram judeus. Setenta anos após o Holocausto, o antissemitismo esta vivo e forte, e de volta à Europa.

Precisamos do Dia Memorial do Holocausto? Essa foi a pergunta que Tony Blair, então primeiro ministro, fez aos líderes do Judaísmo Britânico em 1999. Tinha sido proposto que tivéssemos um para o Reino Unido e ele quis nossa opinião. Explicamos que como judeus não precisávamos disso. Já temos Yom HaShoa, nosso próprio dia memorial, logo após Pêssach no calendário judaico. Todo judeu literalmente - ou figurativamente - perdeu a família no Holocausto. Para nós Yom HaShoa é um luto observado.

Mas sim, dissemos, pois o Holocausto não foi um crime apenas contra judeus e outras vítimas - romenos, ciganos, homossexuais, deficientes e Testemunhas de Jeová entre elas. O Holocausto foi um ataque à humanidade. Primo Levi, quando escreveu sua memória sobre Auschwitz, não a chamou de Se Isto é um Judeu, ele a chamou Se Isto é um Homem.

Os judeus eram odiados porque eram diferentes. A declaração clássica é a frase de Haman ao rei Achasueru no Livro de Esther, que há um povo espalhado entre as nações “que se mantém separado; seus costumes são diferentes daqueles de todos os outros povos” (Esther 3:8). O antissemitismo é o paradigma de não gostar do diferente. Durante mil anos os judeus foram o arquétipo Outro: não-cristãos na Europa cristã, não-muçulmanos no Oriente Médio muçulmano.

Mas somos todos diferentes, únicos. Isso é o que nos faz humanos. Uma sociedade que não tem espaço para diferenças não tem espaço para a humanidade. O ódio que começa com judeus jamais termina com judeus, Onde quer que você encontre antissemitismo, ali também encontrará uma ameaça à liberdade. Nenhuma sociedade livre jamais foi construída sobre o ódio.

Hoje o antissemitismo está empregnado no mundo árabe e muçulmano. Os judeus estão sendo acusados de quase tudo: controlar a América, dominar a Europa, manipular a economia, controlar a mídia, perpetrar o Onze de Setembro e todos os ataques terroristas subsequentes, criar a Aids, o Ebola, o tsunami em 2004 e o aquecimento global.

Quatro mitos diferentes foram criados sobre o Holocausto. A versão iraniana é que não aconteceu: foi inventado pelos judeus para ampliar as metas do Sionismo. Outro é que aconteceu pela metade, e foi uma pena que Hitler não tenha terminado o trabalho. O terceiro é que aconteceu e os judeus mereceram. O quarto é que aconteceu mas agora os judeus são os novos nazistas e os palestinos são as novas vítimas.

Isso é extremamente importante, porque o antissemitismo apenas incidentalmente é sobre os judeus. Trata-se fundalmentalmente de um certo tipo de dissonância cognitiva dentro das culturas que o fizeram surgir. Acontece quando sua própria auto-imagem é contradita pelo mundo exterior. A judeufobia nasceu por volta do ano 95 quando o Gospel de John chamou os judeus de filhos do diabo. Não se tornou assassino durante mil anos, até 1096, quando os Cruzados a caminho de libertar a Terra Santa pararam para massacrar as comunidades judaicas de Worms, Mainz e Colônia, iniciando séculos de perseguição cristã aos judeus.

Foi quando os cristãos acordaram para o fato de que tinham sido dominados pelo Islã. Nazismo e antissemitismo começaram após a derrota alemã na Primeira Guerra Mundial e os termos humilhantes do Tratado de Versalhes. O antissemitismo muçulmano - em oposição às declarações negativas sobre judeus no Corão e Hadith - começaram em 1924 quando o Império Otomano caiu. Quatro anos depois nasceram a Irmandade Muçulmana e o Islamismo.

O antissemitismo torna a dissonância cognitiva suportável ao transformar a pergunta “Por que isso aconteceu?” na pergunta “Quem fez isso a mim?” Se é erro de outra pessoa, não meu, posso preservar meu auto-respeito. Eu me torno a vítima, não o perpetrador. Crimes contra a humanidade então se tornam ações sagradas, feitas para vingar meu povo ou minha fé. É isso que transforma seres humanos comuns em cruzados numa época, nazistas em outra, e atacantes suicidas e terroristas numa terceira.

Enquanto os estudantes são ensinados nas madrassas que os judeus são o inimigo da humanidade, os extremistas irão condenar o Islã, uma nobre fé, a ferimentos auto-infligidos durante as próximas gerações. Para ser livre, você precisa se livrar do ódio. Não há outra maneira.

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail