Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

A Crise da Água

A Crise da Água

 E-mail

São Paulo vive há meses uma crise de falta de água com a seca em rios e represas sem precedentes. Estávamos acostumados com a abundância dela em nossas torneiras, jogávamos ela sem pena, nas calçadas, no demorado banho em baixo do chuveiro, na torneira vazando esperando conserto sem prazo, na cultura do desperdício…

A população recebeu com atraso campanhas em como economizar e racionalizar o uso desse bem tão precioso que não soubemos valorizar… nem planejar. A culpa não é só da chuva.

No estado de São Paulo que concentra cerca de 36% da produção industrial do país, as reservas estão nos níveis mínimos históricos. O volume da represa de Cantareira, principal reserva de água da região metropolitana que abastece 6,5 milhões de habitantes, chegou a 3,2% de sua capacidade (enquanto este artigo está sendo escrito…)

Por que deixar o problema chegar a dimensões tão graves e somente após o limite, já ultrapassado, buscar soluções?

A mesma coisa acontece em nossa vida quando negligenciamos bens preciosos ao deixamos nosso sistema entrar em alerta máximo.

Você guarda alguns minutos para anotar o que você está desperdiçando em sua vida? Talvez seu tempo? A comunicação pessoal com sua família? A atenção devida aos filhos, também aos amigos? Continua desperdiçando sua saúde? Seu crescimento pessoal, espiritual?

Nesses tempos de crises, da seca e de nossos relacionamentos, precisamos visualizar a meia garrafa cheia (de preferência de água) extraindo alguma lição positiva. Nossos bens mais preciosos deveriam receber uma diretriz de aproveitamento máximo diário. Como proteger nossos mananciais, como criar alicerces e preservar laços, valorizar cada bem que possuímos que são repletos de riquezas, tanto as reveladas quanto as escondidas, todas ameaçadas pelo nosso esquecimento.

Esperamos não chegar à seca total nos próximos dias. Mas soluções a médio/longo prazo que não foram projetadas estão entre as prioridades, mesmo tardias mas urgentes. Aprendermos a ser coletivos e não individuais. Aprendermos a ser família e não pessoas independentes, sem vínculos. Somos todos responsáveis uns pelos outros. O ato do próximo afeta o coletivo e o coletivo afeta cada um de nós. Se soubermos preservar, teremos mais consciência da abundância da riqueza que nos cerca.

Se estivéssemos em um deserto com uma barra de ouro certamente a doaríamos por um copo cheio de água. Estamos cercados por gente que nos ama e que tem sede de nossa atenção. Podemos encher nossos baldes com água, mas também com vida.

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
2 Comentários
1000 Caracteres restantes
Andrea 8 Novembro, 2014

Maravilhosa mensagem! Reply

Priscila 3 Novembro, 2014

Sobre o texto "A Crise da Água" Ótima percepção! Essa foi uma excelente forma de abordar o assunto: conscientizando e espiritualizando, na medida em que nos convida a refletir sobre o que desperdiçamos/deixamos de aproveitar em nossas vidas. Obrigada pelo edificante texto! Reply