Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

A Cabalá do Brasil

A Cabalá do Brasil

 E-mail

Por Rabino Yacov Gerenstadt

Nos primórdios da colonização do Brasil, muitos dos colonizadores eram cristãos- novos, judeus convertidos à força, que optaram por vir ao Brasil com a esperança de fugir das garras da inquisição. Como cristãos-novos, eles se comunicavam em hebraico e, assim, foram eles que deram os nomes a vários estados brasileiros. Por exemplo:

• Bahia – que, em hebraico, significa “Nele está D’us”
• Maceió – “Obra de D’us”
• Goiás – “Povo forte”
• Alagoas – “Acima de Goiás”
• Recife – “recifes”, em hebraico
• Pará – “Vaca”; entre outros.

De modo semelhante, o nome de nosso País, Brasil, que tem sua origem no pau- brasil, também conhecido como pau-ferro, aparentemente tem origem judaica.

Os historiadores explicam que essa madeira leva esse nome por sua densidade ser maior que a da água, fato que dificultava o transporte fluvial pelos exploradores no século 16. Outro motivo era devido ao fato de o pau- brasil ser uma madeira muito dura e dificilmente atacada por cupins, assemelhando-se ao ferro.

Interessante perceber que, em hebraico, a palavra ferro é “BaRZeL”, o que nos leva a afirmar que o nome pau- brasil também foi dado pelos colonizadores cristãos-novos.

Ferro

O terceiro patriarca do povo judeu, Yaacov, casou-se com quatro mulheres. Quando escrevemos os nomes de suas quatro esposas na ordem inversa, isto é, da mais jovem à mais velha – Bilá, Rachel, Zilpa e Lea, obtemos o acróstico da palavra BaRZeL – ferro.

Por esse motivo, o ferro está ligado a energias negativas, pois expressa a falta de respeito da mais jovem pela mais velha. Nossos sábios afirmaram que o Templo Sagrado de Jerusalém não podia ser construído com ferro, e que se um ferro fosse colocado sobre o altar do Templo, a pedra que teve contato com o ferro deveria ser removida e trocada por outra. A explicação para isso é que o altar foi criado para prolongar a vida das pessoas enquanto o ferro, por meio da espada, a encurta. Da mesma forma, a lei judaica nos diz que, ao fazermos a benção final após as refeições, devemos cobrir a faca que se encontra sobre a mesa.

Todos os componentes de nosso mundo são instáveis, ou seja, sofrem transformações, se não materiais, espirituais. Algo que originalmente foi criado com uma energia neutra, quando usado com propósitos sagrados, é santificado. Por exemplo: uma árvore não possui nenhuma santidade, porém, no momento em que ela vira papel e este é usado para editar um livro de rezas, ele se torna sagrado.

Sobre a era messiânica, conta o profeta: “(…) e o espírito de impureza, banirei sobre a face da terra”, e “(…) não levantará mais a espada, um povo sobre outro, e não conhecerão mais a guerra”. O ferro não encurtará mais a vida das pessoas e, justamente com ele, será reconstruído o Terceiro Templo.

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
1 Comentário
1000 Caracteres restantes
Anônimo Rio de Janeiro/RJ 7 Julho, 2014

Aqui ganhamos espiritualidade e cultura. Reply