Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Por Que a Shechita é Importante

Por Que a Shechita é Importante

 E-mail

O Povo Judeu enfrenta hoje vários conflitos. Um deles está relacionado à shechitá, o abate ritual de aves, carneiros e vacas, para que os judeus possam comer carnes.

Alguns grupos têm feito pressão numa tentativa de banir a shechitá ou de impor ao governo leis que impediriam que ela fosse praticada de forma efetiva.

Por que é tão importante proteger o nosso direito de praticar a shechitá?

A shechitá é praticamente indolor para o animal. A faca especial de shechitá é afiada como uma navalha: se ela cortasse o dedo de alguém, este não sentiria. O ato da shechitá geralmente corta as artérias carótidas, causando a interrupção imediata do suprimento sanguíneo ao cérebro. Esse procedimento tem um efeito atordoante efetivo, rápido e indolor.

Em termos de vida na sociedade moderna, existe ainda outra questão: a tolerância religiosa. Nós vivemos em uma sociedade pluralista em que a liberdade para a prática religiosa pode ser reivindicada desde que não cause prejuízo a outros seres humanos.

Como seres humanos maduros do século 21, podemos exigir a aceitação da shechitá como um direito humano. Além disso, os ataques à shechitá são geralmente uma forma disfarçada de antissemitismo: durante a Segunda Guerra Mundial, a shechitá foi banida em todos os países que estavam sob o controle dos nazistas.

A verdadeira questão, entretanto, é a questão espiritual. A Torá ordena ao judeu que use o método da shechitá para que possa comer carne.

A Torá não considera comer carne como algo a ser tomado como natural. Antes de Noé, os seres humanos não podiam comer carne. Então, em uma lei dada por D'us a Noé depois do Dilúvio, comer carne se tornou permitido desde que o animal seja morto antes. Nós geralmente entendemos esta lei, aplicando-a a toda a humanidade, como uma exigência para que se evite a crueldade desumana aos animais.

Para o judeu existem ainda outras restrições com regras adicionais que se aplicam a nós. Somente certos animais podem ser comidos: os animais casher(“casher” significa saudável, adequado). As regras para os animais, aves e peixes casher são dadas na Torá1. Se o animal não estiver saudável, novamente ele é proibido. A palavra treif (que nós usamos para algo não-casher) literalmente significa “rasgado, despedaçado”: um animal que tenha sido rasgado internamente e está doente não pode ser comido2. A Torá também nos fala que o sangue não pode ser ingerido, e a carne e o lei devem ser mantidos separados3.

Ainda tem mais. Para o Povo Judeu na época de Moshé, a carne só podia ser cconsumida quando fizesse parte de um sacrifício trazido ao Santuário. De certo modo, a carne era considerada sagrada. Então, logo antes de entrarem na Terra de Israel, foi dito ao Povo Judeu que eles poderiam comer carne, mas somente se eles abatessem os animais de uma forma especial4. Este método foi revelado a Moshé no Sinai. Era o modo de abate usado no Santuário e no Templo, e ainda é usado por aquele que faz o abate (shochet) nos dias de hoje.

Todo alimento, incluindo plantas e animais, tem dentro dele uma força vital espiritual. Os ensinamentos chassídicos nos dizem que quando um judeu come alimentos permitidos e serve a D'us com a energia que ele lhe proporciona, um ciclo espiritual crucial é completado, ajudando a aperfeiçoar o universo5. Esta é a nossa missão global. As leis detalhadas e a prática da shechitá nos ajudam a executá-la, para o beneficio máximo de toda a humanidade.

NOTAS
1.
Devarim14:3-21.
2.
Shemot 22:30.
3.
Devarim 12:23-25; 14:21, como explicado pelos Sábios.
4.
Devarim 12:21. Ver Rashi.
5.
Ver Tanya parte I do Rabbi Shneur Zalmanof Liadi, caps. 7 e 37.
Por Tali Loewenthal
Dr. Tali Loewenthal é palestrante sobre Espiritualidade Judaica na Universidade College London, diretor da Unidade de Pesquisa Chabad, autor de Comunicando o Infinito: O Surgimento da Escola Chabad, e contribui frequentemente para a seção de leitura semanal da Torá de Chabad.org.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
2 Comentários
1000 Caracteres restantes
Elisa Sales Rio de Janeiro 25 Maio, 2014

Muito boa explicação! A humanidade não entendeu o propósito Divino do Eterno, infelizmente. Reply

José Levy Belém 24 Abril, 2014

Forças do mal até nos alimentos. É impressionante como as forças do mal, o lado contrário ao espiritual, tentam nos dias de hoje, bloquear todos os fluxos de Luz divina para este mundo. Infelizmente a humanidade Secular está totalmente tomada pelas tendências estranhas a vontade do Criador. A shechitá é uma confirmação real do amor de D´us pelas suas criaturas. É um absurdo a tentativa de banimento desta prática sagrada, quando se deveria na verdade incentivá-la. Shalom! Reply