Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Meu Marido Não Me Escuta

Meu Marido Não Me Escuta

 E-mail

Em Hamodia, Seção ‘Seeking Solutions’

Dúvida:

Considero-me bastante afortunada. Tenho um marido maravilhoso, Baruch Hashem, que é um verdadeiro talmid chacham, além de muito mentch. Porém, há um pequeno problema que me incomoda. Não acontece com frequência, mas às vezes fico aborrecida. Meu marido não valoriza meus sentimentos. Tento explicar a ele o que está me incomodadndo. Em vez de me escutar, ele ri sobre o fato, dizendo-me como aquilo não é importante etc. Isso antes mesmo que eu termine de falar!

Às vezes aceito bem sua reação porque posso procurar outras pessoas/amigos que me entenderão e não farão pouco das minhas “frustrações”. Outras vezes há coisas que somente posso discutir com meu marido (devido à privacidade familiar).

Naquelas vezes, quando começo a falar e meu marido me diz que tudo está OK, não deixo passar, mas começo a insistir para que ele pelo menos me escute. Muitas vezes tudo de que preciso é um pouco de empatia ou um comentário como “você está certa” ou entendo”. Aqui e ali tenho tentado dizer ao meu marido, durante momentos calmos, o quanto as mulheres (incluindo eu mesma) precisam ser entendidas, mais que qualquer outra coisa. Ele concorda mas da próxima vez em que eu preciso daquele pouquinho de simpatia ainda não a recebo.

Provavelmente ele é um dos maridos mais gentis que conheço. Além disso, o cenário que descrevi não ocorre com frequência, mas quando acontece, me deixa realmente aborrecida. Muitas das minhas cunhadas têm esse problema num grau mais alto. Meus cunhados são maravilhosos, gente boa. Talvez porque minha sogra seja muito quieta, nunca há bastante conversa naquela casa (muito menos comunicação). As refeições podem ser feitas em total silêncio. Talvez a leve “incapacidade de comunicação” do meu marido seja resultado do ambiente em que cresceu.
Como posso evitar frustração tão intensa no futuro?

Resposta:

Você descreveu sua frustração como sendo devida ao fato de seu marido “não valorizar seus sentimentos”. Isso pode levá-la a pensar que ele não se importa com aquilo que você sente, e isso certamente pode ser frustrante. No entanto, sua descrição do seu marido não é aquela de alguém que não se importa com os seus sentimentos. Você o descreve não como um talmid chacham, mas também como um “verdadeiro mentch”, uma pessoa carinhosa e boa. Embora ele se importe bastante, parece que tem dificuldade em demonstrar isso.

Você descreve a família dele como sendo silenciosa e tendo dificuldade em comunicação. Seu marido provavelmente pegou esse traço na infância, e embora esteja interessado pela maneira como você se sente, é incapaz de mostrar. Essas características são difíceis de mudar. Uma mulher que seja muito musical pode ficar frustrada se o marido for surdo para música e não puder diferenciar uma marcha de Sousa de uma valsa de Strauss. Embora ela tivesse gostado que o marido partilhasse seu interesse musical, isso não é importante porque não se reflete na maneira de ele se sentir a respeito dela.

Se você entender que a falta de reação do seu marido é um ingrediente do caráter dele com o qual ele cresceu, e não indica falta de interesse em seus sentimentos, sua frustração será muito menor. Se você expressar a ele essa compreensão, pode ajudá-lo a fazer algum progresso no sentido de superar sua “incapacidade”.

Por Abraham J. Twerski
Rabino Dr. Abraham J. Twerski psiquiatra, erudito de Torá, escritor e palestrante experiente conselheiro internacionalmente conhecido
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
1000 Caracteres restantes
Envie-me e-mail quando novos comentários forem postados.
Ordenar por:
Discussão (2)
10 Abril, 2014
Miriam Continuando...
Na panelinha do tempero da mulher, primeiro e como muito bem já disse, fora do momento em que está a falar dos seus sentimentos, coloca a sua panela e nela vai colocando todos os ingredientes que acha essenciais, nunca esquecendo o sublinhar dos seus sentimentos como o melhor tempero para o seu cozinhado...
Então, falando com o seu marido não se esqueça faça-o como é importante que ele a suporte e que diga o que precisa de ouvir, que ele está consigo, que tem razão.... e o mais importante é encontrar uma palavra chave para abrir o tesouro das especiarias raras... é a chave que tem vai lembrar ao seu marido, para abrir a porta das palavras: tens razão!! Eu estou contigo!!

Esta refeição vai saber tão bem... tenho a certeza que vai ser divertido falar das situações familiares, dos sentimentos, do que mais me ofende e assim se vai descascando a cebola, camada a camada até chegar ao centro doce. Repita a dose sempre que for preciso.
Miriam
Portugal
10 Abril, 2014
acordo
Saudações desde Portugal

Gostaria de adicionar um pouquinho mais de tempero nesta conversa (gosto muito de cozinhar)...
No meu entendimento o que o seu marido está a fazer é tentar acalmar os seus sentimentos e isso é muito importante porque, é a tal aprendizagem que precisamos fazer, é a restrição à zanga ou quando precisamos de soltar o "vapor da nossa conversa".
Eu sei que é mesmo preciso um marido que nos ouça mas, na verdade as coisas são importantes quando as perdoamos, então quando o seu marido começa a responder assim, aproveite para entender que esta é tal oportunidade, é o "temporizador de cozinha" a dar o seu toque para que não dê assim tanta importância ao assunto. É o tempo de tirar a "panela do lume" e deixar arrefecer e depois passado um pouco aproveite para perceber se o "tempero" que o seu marido deitou serviu ou não....
Agora também acho que juntamente com a "panelinha do tempero do marido" colocamos ao lado a "panelinha do tempero da mulher"... que continuo já...
Miriam
Portugal