Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

A Mulher, Essa Maravilha

A Mulher, Essa Maravilha

 E-mail

E D’us falou a Moshê, dizendo: “Uma mulher que vai conceber e dará à luz…” (Vayicrá 12:1-2)

Acontece 250 vezes por minuto, quase 15.000 a cada hora. Acontece após anos de esforço ou antecipação, ou “por acidente”. Ocorre em todos os níveis socioeconômicos em todo país ou aldeia do mundo. Porém, não importa com que frequência aconteça, não importa quão comum seja esse evento, sempre sentimos reverência e dizemos; um milagre. Um ser fazer nascer outro, criar, outro. Se existe uma área na qual uma criatura imita seu Criador – se existe algum ato pelo qual expressamos a centelha de Divindade em nosso âmago – é o milagre do nascimento.

É a mulher, segundo a Lei da Torá, que determina exclusivamente a identidade espiritual do seu filho

Porém é nesta, a mais Divina de nossas realizações, que também revelamos as limitações de nossa individualidade. Comer, dormir, pensar, produzir uma obra de arte ou construir uma casa – praticamente tudo que fazemos, podemos fazer sozinhos. Mas fazer nascer uma criança é algo que somente podemos fazer junto com outra pessoa. Para fazer nascer, devemos deixar de ser uma entidade em nós mesmos e nos tornar uma parte, um componente, de uma comunidade de dois.

Porque se formos apenas aquilo que somos, decididamente não somos Divinos. Como seres em nós mesmos, somos finitos e absorvidos nas coisas, fabricantes, em vez de criadores. Para criar, devemos nos elevar acima da nossa individualidade. Para concretizar nossa essência Divina, devemos trancender os limites do ser.

É a mulher, não o homem, que dá à luz. É a mulher que mais se completa com a maternidade, e que sente mais agudamente a falta quando lhe é negado ser mãe. É a mulher que continua a ser mãe do filho muito tempo depois que o pai foi pai. É a mulher, segundo a Lei da Torá, que exclusivamente determina a identidade espiritual do filho.

Porque é a mulher que mais entrega a si mesma para criar vida. Ela é o elemento passivo e receptivo no processo da procriação. Durante nove meses, seu corpo deixa de ser só dela para carregar e alimentar outra vida. Portanto é a mulher, e não o homem, que “concebe e dá à luz”, e para quem a maternidade é um estado do ser, e não uma “realização” ou “experiência”.

Porém, todos podem se tornar “mães”. Aquilo que vem naturalmente para a parte feminina da Criação pode ser aprendido e assimilado por todos nós, e não somente dando à luz mas em todos os esforços da vida. Todos temos o poder de reconhecer que há mais em nossa existência que os estreitos limites da identidade individual.

Todos temos o poder de nos tornar mais do que somos e fazer mais do que podemos – tornando-nos receptivos à essência Divina que reforça o ser e abrange toda a existência.

Por Yanki Tauber
Yanki Tauber é editor de conteúdo de Chabad.org.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
7 Comentários
1000 Caracteres restantes
Aprendiz 22 Fevereiro, 2017

"É a mulher, segundo a Lei da Torá, que exclusivamente determina a identidade espiritual do filho."
Onde encontro mais conteúdo sobre isto.

Amei o texto . Reply

Anônimo 21 Abril, 2014

Texto lindo e fantástico. Lindo ver a sensibilidade do autor. Agradeço a D'us q me concedeu esse privilégio de ser mulher e mãe. Reply

Hosana Brasil 29 Março, 2014

Excelente artigo! Vou adicioná-lo a "favoritos". Reply

Fernanda S Paulo 27 Março, 2014

Eu sou mãe de três sobrinhos lindos, indo para o quarto :D Bendito Sejas Tu H'Shem Nosso D'us, Rei do Universo que nos fizeste conforme a tua vontade.. a expressão feminina da vontade de H'Shem!! Profundo, silencioso, compassivo e muito Divino ser um desejo de doar e desejar doar. Lindo. Reply

Alessandra Oliveira Cotia- SP Brasil 27 Março, 2014

Lindo texto! Obrigado me senti tocada e valorizada. É verdade, nossa transformação física durante os 9 meses é gradual e nos eleva espiritualmente, se vc estiver perceptivel. Nos dois partos normais que Deus me abençoou, senti uma grande unção de responsabilidade e amor que ao amamentar no seio pude vivenciar esse poder de alimentar outra vida! Viver esse milagre é bom demais! Reply

Railssa Brasília. 26 Março, 2014

Amo o Chabad. Reply

Samua de Brito Paiva Rio de Janeiro/RJ 24 Março, 2014

Não sou mãe biologicamente (contra a minha vontade), porém tenho aprendido a sê-lo existencialmente, ou seja, tenho me dedicado a me doar a quem precisa, o que requer de mim coisas muito variadas: às vezes um recurso, às vezes atenção. O que importa é isso: ser mãe é doar-se. Isso também se chama amor. Reply