Entre em contato

Conquistando o Respeito dos Filhos

Conquistando o Respeito dos Filhos

 E-mail

Num mundo de crises, um problema urgente é a dissolução da família. Lamentamos o desaparecimento da família judaica das fábulas, não por sentimentalismo, mas por uma avaliação realista de uma experiência pessoal. A família devotada, um apoio em meio à confusão, está desaparecendo rapidamente, até entre o povo judeu. “O que podemos fazer?” é o lamento sofrido de pais ao verem seus filhos crescendo longe deles, indo a outra parte em busca de orientação e até mesmo afeição. Tentamos, inutilmente, recriar o antigo espírito familiar, e nos perguntamos por que não conseguimos.

A atmosfera de um lar judaico não era produzida por geração espontânea, nem evoluía num vácuo. Era produto de um processo. Um princípio guiava os mais velhos e era transmitido naturalmente aos filhos por imitação através da admiração. Cor e calor num lar judaico não consistiam de cerimoniais isolados e superficiais realizados basicamente “para as crianças”. Os pais mantinham o Judaísmo porque era importante para eles. O estilo da Torá, enfatizando responsabilidades junto com privilégios, ensinando e praticando o autocontrole, era seguido entusiasticamente pelos adultos, e depois pelos mais jovens.

A atmosfera de um lar judaico não evolui num vácuo

Talvez inconscientemente, o filho reconhecia e admirava pais com um ideal que eles adotavam, e vínculos entre as gerações eram forjados e fortalecidos.

“Respeita teu pai e tua mãe e observa meus Shabatot.”1 Pais que merecem respeito serão respeitados, e merecerão isso “observando meus Shabatot”, vivendo por princípios e não por auto-indulgência e conveniência. No fundo os filhos não podem respeitar pais que os acompanham, que os deixam “decidir”. A evasão de responsabilidade por parte dos pais não encoraja a autoconfiança por parte dos filhos.

O alicerce do lar é responsabilidade dos pais; o dever deles é serem exemplos sinceros, guias inteligentes. O respeito e reverência dos filhos criará um lar que é a maior recompensa que um pai pode ter.

NOTAS
1.
Levítico 19:3
Por Zalman Posner
Zalman Posner é um rabino veterano, atuando na área rabínica desde 1949. É rabino emérito da Congregação Sherith Israel de Nashville, Tennessee, e co-diretor do Chabad-Lubavitch de Nashville.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
3 Comentários
1000 Caracteres restantes
Julimar Araújo de Freitas Fortaleza - CE 28 Agosto, 2017

Os filhos são herança de HaShem. O Texto acima se encontra bem embasado na Torah! Reply

Anônimo Rio de Janeiro 11 Agosto, 2017

O mundo atual proporcionou um grande acesso a informações aos nossos filhos. Isso é um fator que os leva a todo tipo de coisas, boas ou ruins.
E para agravar esse quadro, quanto mais eles crescem e ampliam o círculo de amizades, aumenta a exposição deles ao perigo enquanto pouco podemos fazer para protegê-los dessa armadilha, que é demasiada exposição a fáceis e constantes convites para se desviarem.
Mais do que nunca, cabe a nós, pais responsáveis, seguir o que aprendi com as palavras do Rebe.
Há duas formas eficazes de educação. A primeira é o ensino tradicional, onde nós nos posicionamos como professores e ensinamos. A segunda forma, e mais eficaz, é dar o exemplo.
Nesse mundo sem sanidade, temos que ser como uma vela na escuridão. Mesmo que ocorra que nossos filhos se desviem, - D'us nos livre! - temos que ser uma referência segura para o retorno. Reply

Mirian Leah S. Paulo, SP/Brasil via beitchabad.org.br 10 Janeiro, 2013

Conquistando o respeito dos filhos Claro que filhos protegidos, seguros será outra coisa. Hoje em dia em face ao desemprego, quando o pai perde a estima por não poder prover a família os idosos (aposentados) arcando com a responsabilidade econômica, quando então os próprios pais na dependência perdem a original força de comando, e assim vai a mudança de papéis e por fim os conflitos familiares, sem contar com a vulnerabilidade externa (social). Não está fácil. Obrigada. Reply