Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

O Mês de Shevat

O Mês de Shevat

 E-mail

Segundo o Sêfer Yetzirá, cada mês do ano judaico tem uma letra do alfabeto hebraico, um signo do Zodíaco, uma das doze tribos de Israel, um sentido e um membro controlador do corpo que correspondem a ele.

Shevat é o décimo primeiro mês do calendário judaico.

O décimo quinto dia de Shevat é o "Ano Novo das Árvores" segundo a Escola de Hilel; segundo a escola de Shamai, o "Ano Novo das Árvores" é em Primeiro de Shevat. O "Ano Novo das Árvores" é o dia a partir do qual o novo ano é calculado para o fruto das árvores com respeito às mitsvot de ma'asser ("dízimos"; fruto que brota após esta data não pode ser apanhado como um dízimo sobre os frutos que nasceram antes) e orlá (fruto com menos de três anos de idade, que é proibido). É celebrado pela partilha de frutos, especialmente as sete espécies pelas quais a terra de Israel é enaltecida.

O 15º dia do décimo primeiro mês alude ao segredo do inefável Nome de D’us Havayah, cujas primeiras duas letras, yud e hei (que representam o nível oculto, mais elevado, de unificação) totalizam 15, e cujas últimas duas letras, vav e hei, (que representam o nível inferior, revelado, de unificação) totalizam 11. O segredo total do Nome Havayah é o segredo da "Árvore da Vida", a árvore do mês de Shevat.

Letra: tsadic

A letra tsadic simboliza o verdadeiro tsadic ("o justo") e "o tsadic é o alicerce do mundo". O tsadic consumado da geração personifica a Árvore da Vida no Jardim do Éden (onde todas as árvores correspondem às almas dos justos).

A própria forma da letra tsadic (especialmente seu formato final, que representa a verdadeira manifestação do tsadic no futuro) assemelha-se a uma árvore. Na Torá, o homem é chamado Etz hasadê ("a árvore do campo"). Etz hasadê = 474 = da'at, a singular propriedade do homem em geral e do tsadic em particular. Da'at é o poder de "conexão". O mês de Shevat é o mês da conexão ao verdadeiro tsadic da geração, a Árvore da Vida da geração.

Mazal: "deli" (Aquário – balde)


O Ano Novo das Árvores de Shevat é a época em que as águas das chuvas de inverno começam a subir pelas veias da árvore e lhe trazem nova vida. A subida da água em geral é representada pelo deli. O radical de deli significa "erguer", como no versículo "Meus olhos estão erguidos para o céu"
– (quando o ayin – "olho" – de Tevêt é elevado para se conectar ao tsadic de Shevat, a palavra etz – "árvore" – é formada).

O Báal Shem Tov declarou que quando se encontra um aguadeiro carregando barris cheios de água, é um sinal de bênção. O tsadic é uma verdadeira manifestação de um carregador de água. "Água refere-se à Torá." Refere-se a Shevat como o novo ano para o estudo de Torá. O ato de se comer frutas em Shevat corresponde à partilha e integração dos doces frutos da sabedoria da Torá. E assim, as águas de Shevat representam as doces águas da Torá.

Tribo: Asher

O nome "Asher" significa "prazer" e "felicidade". Nosso Patriarca Yaacov abençoou seu filho Asher: "De Asher vem o delicioso [lit. gordo] pão, e ele fornecerá as iguarias do rei." Daí fica evidente que Asher representa o sentido do paladar e comer.

A árvore especial que Asher personifica é a oliveira, que fornece o excelente azeite com o qual a porção de Asher na Terra de Israel foi abençoada. Das sete espécies da Terra de Israel, a azeitona é a sexta, e na Cabalá corresponde à sefira de yesod, o "tsadic, alicerce do mundo". O azeite de oliva representa a semente potente do tsadic de conduzir e suster gerações abençoadas de almas judaicas.

Sentido: Paladar, comer (achila, ta'am)

O sentido retificado de comer é o sentido especial do tsadic, como está escrito: "O tsadic come para satisfazer sua alma." O versículo continua: "mas o estômago do perverso está sempre carente". O tsadic, orientado para a alma, sente-se "satisfeito" e feliz com pouco; o rasha (perverso), que é orientado para o corpo, nunca está "satisfeito".
"
Ao comer da Árvore da Vida, o tsadic extrai grande prazer ("vida" na Torá significa "prazer") das centelhas Divinas de luz e força de vida presentes no alimento que ingere. Em seu estado de consciência retificado, ele está continuamente cônscio de que "não só [dimensão física] de pão vive o homem, mas de toda palavra da boca de D’us."

A ocasião de maior prazer na partilha do alimento está no Shabat. A palavra para "satisfazer [sua alma]" é cognata à palavra para "sete", aludindo ao sétimo dia de Shabat. Um verdadeiro tsadic vive o prazer do Shabat durante toda a semana (no Zohar, o tsadic é denominado Shabat). A própria palavra Shevat transforma-se em Shabat (pois as letras tet e tav, ambas letras da língua, são foneticamente intercambiáveis).

Controlador: estômago [e esôfago] (etztomchá ou kurkavan)
A relação entre o estômago e o sentido do paladar e de comer é clara.

Nossos Sábios declaram: "o kurkavan mói." O processo de moer é essencial à digestão. Dissecar a grosseira substância do alimento em pequenas partes é necessário para libertar as centelhas de força de vida Divina contida no alimento. Ao "moer" (similar ao "mastigar" da boca) o estômago "saboreia" a essência interior da comida. Este sentido interior, espiritual, do paladar controla o sentido mais externo do paladar.

Por Rabino Yitzchak Ginsburgh
Rabino Yitzchak Ginsburg é fundador e diretor do Instituto Gal Einai: Instituto de Estudo Interdisciplinário Avançado de Torá, Arte e Ciências. Renomado explicador de Cabalá e Chassidut, Rabino Ginsburg escreveu mais de quarenta livros esclarecendo tópicos de Torá como psicologia, medicina, política, matemática e relacionamentos.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Inicie um Debate
1000 Caracteres restantes