Entre em contato

A Reputação de D’us

A Reputação de D’us

 E-mail

Aaron Feuerstein



Em dezembro de 1995, o empresário americano Aaron Feuerstein tinha acabado de chegar em casa, vindo da sua festa de 70º aniversário, quando um telefonema o informou de que sua tecelagem Malden Mills em Lawrence, Massachussets tinha se incendiado. Vinte e seis empregados ficaram feridos, alguns gravemente.

Três mil pessoas trabalhavam na Malden Mills. Quando os empregados viram a devastação causada pelo incêndio, presumiram que, como disse um trabalhador: “O fogo está fora de controle. Nossos empregos se foram.”

O incêndio estava de fato fora de controle, mas Feuerstein não estava. Judeu observante que estuda o Talmud diariamente, Feuerstein lembrou-se como seu pai citava o aforismo talmúdico: “Num local onde não há um homem, seja homem” (Ética dos Pais 2:5). Logo após o incêndio, ele encontrou-se com mil empregados e disse a eles; “Quando todas as tecelagens em Lawrence correrem para conseguir mão-de-obra mais barata, nós faremos pé firme. Vamos ficar e reconstruir.”

Dois dias depois, vencia o pagamento dos salários. “Pague a todos o salário completo,” ordenou Feuerstein. “E em dia.” Juntamente com os cheques de pagamento, Feuerstein incluiu um bônus de $ 275 para a época de festas do Ano Novo, e uma mensagem: “Não se desesperem. D’us abençoe cada um de vocês.”

No dia seguinte, Feuerstein convocou um reunião com os empregados e anunciou: “Pelos próximos 30 dias, talvez um pouco mais, todos os funcionários receberão o salário completo.” Trinta dias se transformaram em 90, enquanto ele arranjava instalações temporárias. O custo total do apoio aos empregados depois do incêndio chegou a 25 milhões.

Mais tarde naquele dia, Feuerstein, um líder em filantropia que sempre ajudava causas de Torá e diversos projetos humanitários, prosseguiu em sua rota anual ao redor da cidade, desembolsando $80.000 em prol de organizações como o Exército da Salvação, Vizinhos em Necessidades e a Cozinha de Sopas Pão e Rosas.

A lei americana ou judaica exigiam que Feuerstein agisse como ele fez? Não. É por isso que suas ações generosas receberam reconhecimento nacional, e foram o tema de numerosos artigos em revistas e jornais. (Veja a história detalhada em “Um Chefe em Um Milhão,” na Seleções de Readers Digest de outubro de 1996.)

Definindo a fé para outros



Além de sentir compaixão por seus empregados e desejar reconstruir sua empresa, Feuerstein exemplificou o valor judaico mais exaltado – santificar o Nome de D’us, ou em hebraico, Kidush Hashem. O Talmud narra uma história que ilustra o significado deste termo. O Sábio Rabi Shimon ben Shatach encontrou uma pedra preciosa de grande valor pendurada no pescoço de um jumento que ele tinha comprado de um não-judeu. Recusando-se a ceder aos pedidos de seus discípulos que insistiam com ele para ficar com o tesouro que a Providência tinha lhe enviado, ele devolveu a pedra, dizendo: “Eu comprei um burro, não uma pedra preciosa.” O árabe que testemunhou a integridade do Sábio exclamou: “Bendito seja o D’us de Simeon ben Shatach.”

O Nome de D’us é santificado quando aqueles que alegam ter um relacionamento com Ele agem de maneira a tornar evidente como a fé transforma uma vida. Simeon ben Shatach não teria colocado sua reputação em risco nem violado a lei nacional se tivesse decidido ficar com a pedra. Ao devolvê-la, fez um homem dizer: “Se este comportamento é filho da fé, então vale a pena ter fé.”

Enfatizando a que grau as atitudes das pessoas para com D’us são afetadas pelas ações de pessoas religiosas, o Talmud comenta:

“E amarás ao Eterno teu D’us" (Devarim 6:5); isso significa que você deverá fazer com que D’us seja amado por meio de suas ações. Assim, se uma pessoa estuda Torá e Mishná e é honesta em seus assuntos comerciais, fala gentilmente com os outros, o que as pessoas dizem sobre ela? Infeliz de quem não estudou Torá. Este homem estudou Torá; veja como suas maneiras são nobres, como são boas as suas ações”… Mas quando alguém estuda Torá e Mishná… mas é desonesto nos negócios, não fala gentilmente com as pessoas, o que dizem dele? “Infeliz aquele que estuda Torá… Este homem estudou Torá; olhe como seus atos são corruptos, como seus modos seus feios.’” (Talmud Babilônia, Yoma 86 a)

Quando não-judeus com quem você interage sabem que você é judeu, você não é mais meramente um indivíduo. Para o melhor e para o pior, você se torna um embaixador do povo judeu para o mundo não-judeu. Quando você age com nobreza e ética, traz honra a si mesmo, ao povo judeu e ao próprio D’us.

Nossa nova oportunidade



Jamais nos últimos dois mil anos as oportunidades foram maiores ou os riscos tão altos. Pela primeira vez vivemos em sociedades plurais nas quais os judeus têm a oportunidade de participar em todos os processos políticos, éticos e culturais em igualdade de condições. Jamais houve uma época em que as virtudes judaicas têm sido mais admiradas pelos não-judeus. Somos admirados por nossa forte vida em comunidade, o calor da família judaica, nossa paixão pela educação, nosso compromisso com a filantropia. Isso significa a chance de termos voz de destaque nas conversações morais da humanidade.

Um bom exemplo disso pode ser a comovente carta que Ronald Reagan escreveu ao Rebe em 1982: “Você tem muito do que se orgulhar. Desde os seus primeiros momentos nos Estados Unidos em 1941, partilhou seu dom pessoal de compreensão universal em benefício de todos. Repetidas vezes, seu amor e orientação espiritual levaram esperança e inspiração àqueles que enfrentavam o desespero. Ao trazer consolo e conforto ao espírito humano, você ajudou a fortalecer o alicerce da fé que é o bem mais vital da humanidade. A obra de sua vida tem sido uma resposta àquele chamado especial que poucos têm o privilégio de ouvir.”

Na verdade todos temos um chamado especial; no âmago do pacto no Monte Sinai os judeus foram convocados por D’us para se tornarem um reino de sacerdotes e uma nação sagrada.

Como judeus somos conclamados a nos engajar em Ticun Olam, “aperfeiçoar o mundo” sob a soberania de D’us. Somos ordenados a nos tornar “parceiros do Eterno, bendito seja, na obra das criações.” Por isto possuímos a capacidade de influenciar positivamente todas as pessoas, elementos e eventos do nosso mundo; podemos nos tornar “uma luz entre as nações” ao preenchermos nossa vida com santidade e nobreza. Através da integridade com que conduzimos nossa vida comercial ou profissional, pela graça que trazemos aos nossos relacionamentos, pela beleza que irradia dos nossos lares, pela maneira de usarmos palavras que curam e não que ferem, cada um de nós pode santificar o Nome de D’us no mundo.

Matthew Arnold, o grande historiador e filósofo não-judeu, escreveu certa vez: “Enquanto existir o mundo, todos que quisrem fazer progresso em justiça irão a Israel em busca de inspiração, ao povo que teve o senso de justiça mais brilhante e mais forte.”

150 dólares que mudaram uma vida



Em 1978, Shlomo Carlebach, popular compositor e cantor judeu, deu um concerto em Dubrovnik, Iugoslávia. Quando o concerto terminou, Reb Shlomo viu um jovem chorando. “Sagrado irmão,” perguntou ele, “por que está chorando tanto assim?” O homem, um não-judeu, disse que tinha acabado de ganhar uma bolsa de estudos para uma faculdade de Medicina em Paris, mas não tinha o dinheiro para a passagem de avião. Naquele mesmo dia, lhe tinha sido negado um empréstimo. “Quanto é o valor da passagem?” perguntou Reb Shlomo. “Cento e cinquenta dólares.” Reb Shlomo pesquisou nos bolsos e tirou todo o dinheiro que tinha, Contou o valor e entregou-o ao jovem, que ficou perplexo.

“Você nem sequer me conhece. Como sabe que pagarei de volta?” “Não é um empréstimo,” respondeu Reb Shlomo. “É um presente.” O homem foi categórico em dizer que não queria caridade, e pretendia pagar de volta o dinheiro. Reb Shlomo anotou seu nome e endereço, então acrescentou: “Pague-me apenas quando realmente puder.”

Dez anos depois chegou um envelope vindo de Dubrovnick à Sinagoga Carlebach em Manhattan, juntamente com um cheque de $ 150 e uma nota: “Devido à sua grande bondade, agora sou um médico bem-sucedido em Dubrovnick, com um consultório que progride. Devo tudo a você, e jamais o esquecerei, pelo resto da minha vida.” (Mandelbaum, Holy Brother, 75-76)

Há um antigo ditado judeu: Quando está muito frio, há duas maneiras de se aquecer. Uma é vestir um casaco de pele. A outra é acender um fogo. Vista um casaco de pele e mantenha-se aquecido. Acenda um fogo e partilhará seu calor com os outros.”

Nós judeus fomos encarregados de partilhar nosso calor com os outros e acender o fogo e a compaixão de D’us pelo mundo. Este é nosso chamado. Este é nosso destino.

Por Dov Greenberg
Rabi Dov Greenberg é diretor executivo do Beit Chabad na Stanford University e faz palestras em todos os Estados Unidos.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
4 Comentários
1000 Caracteres restantes
Wagner ben Nôach São vicente 16 Outubro, 2015

Quanta riqueza Quanta riqueza vem dos judeus por intermédio de HaShem. Bendito seja. Hazac Baruch. Reply

Daniel Piçarra 7 Setembro, 2012

Que todo o povo Judeu e Israelense sejam Abençoados para sempre pelo D'us de Abraão.
Tenho muito desgosto dos povos da península Ibérica e a Europa por serem na maioria sempre contra os Judeus e Israel, católicos e não católicos. Há dias virei-me para uma colega de trabalho que falava contra os judeus e Israel e disse a ela que Israel não faz guerra contra ninguém, mas sim os outros.
Que o Criador dos ceús e da Terra, o D'us de Abraaõ, Isaac e Jacob, proteja e fortaleça seu povo em Israel e onde quer que esteja, as suas promessas virão como disse ao patriarca Abraão.
Bendito seja oSenhor! Reply

Fernando Goulart Rio de Janeiro, RJ/Brasil 5 Setembro, 2012

Lindo artigo. A humanidade tem de entender que D'us a quer solidária com o próximo e não comprometida com o egoísmo. Reply

Marcia Holtzman Tel Aviv, Israel 5 Setembro, 2012

Nossas festas Hatima TOVA!!!!! Reply