Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Uma Vela

Uma Vela

Publicado por Nashim Tsidkaniot

 E-mail

Alguns anos atrás, pouco antes de Rosh Hashaná, fui de táxi para minha casa, em Crown Heights. Ao chegar, percebi que tinha esquecido minha pasta no táxi. Localizar um determinado táxi em Nova York é como tentar encontrar uma agulha num palheiro. Mesmo assim, tentei. Nela estavam livros judaicos preciosos e papéis importantes fundamentais para meu trabalho como educador. Mas de nada adiantou e desisti.

Para minha surpresa, poucos dias depois, um homem chamado Sam me telefonou dizendo que estava com minha pasta, e que eu poderia ir buscá-la em outra parte do Brooklyn. Ao que parece, um irlandês que pegara aquele táxi depois de mim a encontrara. Quando o motorista lhe disse que não se daria ao trabalho de procurar o dono e a jogaria no lixo, o irlandês teve consideração e a levou consigo. Ao procurar sinais de identificação, viu livros com letras hebraicas e resolveu entregá-la ao único judeu que conhecia, aquele Sam, que se deu ao trabalho de me localizar.

Quando fui pegar a pasta, Sam e eu começamos um papo sobre Crown Heights, que ele se lembrava de sua infância, quando ia visitar parentes que moravam lá. Uma coisa levou a outra, começamos a conversar sobre os chassidim Chabad-Lubavitch que moram lá atualmente e Sam falou que tinha uma filha que estava um pouco interessada em judaísmo. Eu lhe disse que ficaria feliz em recebê-la para passar um Shabat conosco, agradeci-lhe novamente por sua gentileza em me devolver a pasta e fui embora.

Naquela época, a campanha do Rebe pelo acendimento das velas de Shabat estava ganhando força e tinha como objetivo trazer mais luz espiritual (e física) para o mundo por meio das velas de Shabat de cada mulher e cada menina judia. Com isso em mente, voltei a procurar Sam armado com um castiçal e uma mezuzá. Expliquei-lhe nosso objetivo e nossas preocupações e mais uma vez lhe disse que sua filha estava convidada a passar um Shabat com minha família. Mas só tive notícias dela quando recebi a carta abaixo, poucos meses atrás:

“Meu nome é Sara G. Sou a filha do homem que lhe devolveu uma pasta que tinha sido encontrada num táxi há uns três anos e meio. Quando ele lhe contou sobre meu interesse crescente em judaísmo, o senhor lhe deu uma mezuzá e um kit de acendimento das velas para mim, e disse que esperava que eu os utilizasse para trazer um pouco mais de luz para este mundo sombrio.

“Comecei a acender velas de Shabat e afixei a mezuzá na porta do meu quarto, onde ela está até hoje. Acender velas de Shabat foi apenas o começo, para mim, pois me fez querer entender o que estava por trás dessa mitsvá, a santidade que passei a amar.

“Cerca de um ano depois de o senhor me ter dado o castiçal e a mezuzá, eu aprendera o suficiente para começar a comer kasher. Foi difícil, mas persisti e desde então só como kasher.

“Quando fui para a universidade, estudei hebraico e comecei a freqüentar aulas de Torá uma vez por semana com mais algumas pessoas. Essas aulas me fizeram querer aprender mais ainda, por isso resolvi ir para o Beis Chana Institute em Minnesota neste verão, para estudar. Embora eu esteja indo sozinha, estou esperando ansiosamente a experiência, pois sei que quando chegar lá não vou estar sozinha, pois lá há muitas outras moças e mulheres com muito pouca experiência religiosa. Acho que vai me fortalecer e me ajudar a resolver meu caminho futuro, mais estudo universitário ou mais estudos judaicos.

“Tenho pensado no senhor, e me arrependo de não ter aceito seu convite para Shabat. Acho que ainda não estava preparada. Tinha que aprender sozinha.

“Sei que muito tempo se passou desde que o senhor me deu o castiçal e desde então o senhor deve ter distribuído tantos outros, que pode ser que nem se lembre mais que deu um para meu pai me dar. Mas eu queria que o senhor soubesse o que ele fez por mim. Uma mitsvá é eterna, nunca é tarde demais para aprender. E eu não queria que o passar do tempo me impedisse de lhe dizer que o senhor fez uma grande mitsvá.

Shalom,
Sara”

Há uma continuação a essa carta. Quando Sara voltou de Minnesota ficou um tempo em casa com sua família e depois mudou-se para Crown Heights. Sua mãe ficou tão inspirada por tudo que Sara aprendeu que resolveu começar a estudar Torá, aos domingos, no Machon Chana.

A força de uma vela de Shabat ou, na verdade, de qualquer mitsvá, é realmente grandiosa.

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
3 Comentários
1000 Caracteres restantes
Anonymous Rio de Janeiro, RJ/Brasil via lubavitchcopacabana.org 28 Junho, 2012

Um relato lindo e emocionante, tão simples e ao mesmo tempo profundo, mostrando a força de uma mitsvá e ainspiração do Rebe.










Reply

Laylson Ribeirão, PE/Brasil 24 Junho, 2012

Louvo a D'us pelo avivamento espiritual em nosso meio. A crescente busca por um judaísmo puro é a sombra da centelha das velas acesas em muito lares judaico... D'us é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente em momentos de tribulação. Reply

Berel Hofjud S. Paulo, SP/Brasil via chabadsantana.org.br 19 Junho, 2012

As vezes me acho falho em relação ao cumprimento de mitsvot, mas vendo o exemplo dessa moça me inspirei para cumprir mais e mais mitsvot com kavana [verdadeira intenção ]. Espero que logo eu esteja cumprindo-as com frequência e não esporadicamente. Reply