Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

O Que Aconteceu Com a Fé?

O Que Aconteceu Com a Fé?

 E-mail

Dois camponeses russos estão discutindo seu amor pelo Czar.

“Meu amor por ele é ilimitado,” exclamou Boris. “Eu daria tudo a ele! Se eu tivesse um milhão de rublos, daria tudo a ele. Se tivesse um cavalo, de boa vontade o entregaria a ele. Se tivesse uma loja, daria todo o lucro ao Czar!”

“Se você ama tanto o Czar, então estou certo de que dará a ele, alegremente, as três galinhas que tem no quintal, correto?” pergunta o amigo de Boris.

“Hummm, na verdade, acho que não…”

“Como não? Um milhão de rublos e uma loja você daria, mas quando pergunto sobre as três galinhas, você de repente dá pra trás?!”

“As galinhas existem…” responde Boris.


Lembrei-me dessa história ao estudar um fascinante pensamento do Midrash na porção da Torá dessa semana, Vaerá.

Mas primeiro vamos recordar um pouco do final da porção da semana passada, Shemot, na qual lemos como Moshê levou aos judeus a boa nova de que tinha chegado a hora de sua redenção. A Torá nos diz 1 que ao ouvir a notícia, “A nação acreditou; eles ouviram que D'us tinha Se lembrado dos filhos de Israel, e eles se ajoelharam e se prostaram.”

Voltando ao início de Vaerá, onde lemos como D'us enviou Moshê para dizer aos judeus que “Eu os tomarei para Mim como nação, e Eu serei para vós um D'us…” E então a Torá nos diz 2 que “Moshê assim falou aos filhos de Israel, mas eles não deram ouvidos a Moshê…”

Mas por que eles não acreditaram? Por que eles de repente tamparam os ouvidos? O que aconteceu a “Uma vez acreditando, sempre acreditando?” Durante duzentos anos eles tinham se apegado à fé, e de repente, apenas porque as coisas pioraram um pouco, tudo acabou?

Portanto o Midrash explica:

Da primeira vez que Moshê veio, ele era como um político cheio de promessas, mas sem pedir nada em troca (além do voto). Portanto eles acreditaram. Sim, era admirável que após tanto tempo no exílio eles ainda tivessem lugar para a fé. E mesmo assim…

Da segunda vez ele os informou que, uma vez redimidos, eles seriam “tomados como uma nação” por D'us – em nossa linguagem isso quer dizer não mais idolatria, nada de fazer o que bem entendessem! De repente essa liberdade tinha um preço! Subitamente, crer não era mais tão conveniente. Não, obrigado…

É fácil filosofar, declarar e afirmar nossas crenças. Porém aqueles ideais devem se traduzir em ações; caso contrário, não valem muito.

Temos de cumprir o que prometemos.

NOTAS
1.
(Shemot 4:31)
2.
ibid. 6:9
Por Levi Avtzon
Rabino Levi Avtzon mora em Joanesburgo, África do Sul, com sua esposa Chaya e seu filho Aharon. Publica regularmente seus pensamentos e ideias sobre a leitura semanal da Torá, eventos passados e atuais, e a iminência da Redenção.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Inicie um Debate
1000 Caracteres restantes