Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Kever Rachel

Kever Rachel

O Túmulo de Rachel

 E-mail

O túmulo de Rachel está localizado na cidade de Bethlehem, ao sul de Jerusalém. Durante séculos, esteve numa estrada deserta, e os descendentes de Rachel o visitavam para abrir o coração para ela – a mãe que habita um túmulo solitário à beira do caminho a fim de estar ali para seus filhos sofredores. Rachel é uma contínua fonte de consolo aos seus filhos – rezando por eles e pedindo o cumprimento da Divina promessa da volta dos seus filhos à Terra Prometida.

História Básica

Em 2208 (1553 AEC), Yaacov estava levando sua família para Hevron, após passar vinte anos trabalhando para o sogro em Charan (atualmente na fronteira turco-síria). Enquanto estavam viajando Rachel deu à luz seu segundo filho, Benjamin, e faleceu no parto. Em vez de levá-la para o Túmulo dos Patriarcas em Hevron, Yaacov enterrou-a no local, na estrada para Bethlehem (Efrat).

“E Yaacov erigiu um monumento sobre seu túmulo.”

Cada um dos onze filhos de Yaacov (excetuando o recém-nascido Benjamin) colocou uma pedra sobre o túmulo de Rachel, e Yaacov colocou uma pedra no topo.

Segundo o Midrash, a primeira pessoa a rezar no túmulo de Rachel foi seu filho mais velho, Yossef, que tinha apenas sete anos quando a mãe faleceu. Quando ele tinha dezessete anos, seus irmãos o venderam como escravo. Quando estava sendo levado para o Egito, ele fugiu de seus captores, correu até o túmulo da mãe e gritou por ela. “Mãe, minha mãe, que me deu à luz, acorde, levante e veja meu sofrimento.” “Não tema,” ele ouviu a mãe responder. “Vá com eles, e D’us estará com você.”

A partir do Século Quinto da Era Comum até meados de 1800, o túmulo de Rachel era assinalado por uma pequena cúpula apoiada por quatro vigas. Em 1841, Sir Moses Montefiore e sua esposa (que, como Rachel, não tinha filhos) acrescentou paredes à cúpula, e uma longa sala onde os visitantes podiam se abrigar das intempéries, descansar ou fazer um lanche. A imagem do túmulo de Rachel tem sido popularizada na arte e em fotos de sua estrutura.

Em 1948, os jordanianos assumiram o controle da área e os judeus não tiveram mais permissão de rezar no túmulo. Até então o Túmulo de Rachel tinha permanecido numa área aberta ao lado da estrada, mas naquela ocasião os árabes construíram seu próprio cemitério ao redor do túmulo, e Bethlehem expandiu-se, portanto o túmulo ficava agora no centro da cidade.

Após a vitória israelense na Guerra dos Seis Dias em 1967, o Túmulo foi reaberto aos filhos de Rachel. Durante os próximos trinta anos, os judeus freqüentaram o túmulo, percorrendo a curta distância entre Jerusalém e Bethlehem, rezando no local. Uma canção popular na época prometia: “Teus filhos voltaram a ti, Mãe Rachel, à frente deles Benjamin e Joseph… Jamais nos afastaremos daqui outra vez, Rachel.”

Porém a situação mudou. Após a violência da Primeira Intifada, Bethlehem foi entregue à Autoridade Palestina, embora Israel conservasse o controle do local do túmulo. Em 1996, face aos incessantes ataques árabes, o Ministro da Religião em Israel construiu uma fortaleza ao redor da pequena estrutura, com duas torres para vigias, grossas paredes de concreto e arame farpado. A construção suportou os arruaceiros e atacantes árabes.

Significado Espiritual

Quando Rachel faleceu, Yaacov e sua família estavam a uma pequena distância de Bethlehem. Porém ele não levou sua esposa mais amada até aquela cidade para ser enterrada, nem a levou para Hevron com ele, porém a sepultou no meio do nada, ao lado da estrada. Por quê?

Yaacov previu que no futuro, após a destruição do Primeiro Templo em 423 AEC, os judeus seriam expulsos de suas casas e forçados ao exílio na Babilônia. Em sua marcha tresloucada eles passariam por esta mesma estrada, e clamariam a Rachel. Eles tirariam coragem da presença dela, e ela suplicaria a D’us em nome deles.

O Profeta Yirmiyáhu, que viveu estes eventos, descreve o que aconteceu (Yirmiyáhu 31:14):

“Uma voz é ouvida lá no alto, lamentando-se e chorando amargamente. Rachel chora por seus filhos. Ela se recusa a ser consolada. Pois eles se foram.”

Yirmiyáhu também nos diz a resposta de D’us:

“Refreia tua voz de chorar, afasta teus olhos das lágrimas. Pois tua obra tem sua recompensa e teus filhos retornarão à sua fronteira.”

Segundo o Midrash, naquele tempo os outros Patriarcas, Matriarcas e Moshê, também, imploraram misericórdia. Porém D’us permaneceu silente. Então Rachel ergueu sua voz, e evocou a promessa da Redenção.

“Ó D’us do universo,” ela argumentou. “Considere o que eu fiz pela minha irmã Leah. Todo o trabalho que Yaacov fez para meu pai foi apenas para poder se casar comigo; no entanto, quando chegou a hora de eu entrar na canópia nupcial, eles levaram minha irmã no meu lugar. Não apenas eu mantive meu silêncio, como dei a ela a palavra secreta que Yaacov e eu tínhamos combinado (que tínhamos arranjado especificamente para impedir que qualquer outra noiva fosse levada em meu lugar). Você, também, se Seus filhos levaram Seu rival à Sua casa, mantém Seu silêncio.” Imediatamente a misericórdia de D’us foi despertada e Ele respondeu: “Por ti, Rachel, Eu levarei Israel de volta ao seu lugar.”

Ela abriu mão de seu lugar perto do marido uma segunda vez quando, em vez de um túmulo no terreno da família em Hevron, aceitou um funeral solitário, ao lado de uma estrada deserta. Ela fez isto a fim de estar lá para seus filhos que viveriam dezenas de séculos mais tarde.

Rachel é o protótipo da mãe judia, sacrificando-se por nosso bem-estar e segurança. Este sentimento de amor ilimitado e preocupação maternal é o que atrai as pessoas ao seu túmulo até hoje.

Além disso, a própria Rachel foi estéril durante muitos anos antes de lhe serem concedidos os filhos. Especialmente mulheres que estão sofrendo de infertilidade viajam até seu túmulo para rezar.

Fatos Interessantes

  • Quando Yaacov enterrou Rachel, cada um dos seus filhos pegou uma pedra e a colocou sobre o túmulo. Yaacov então pegou uma pedra maior e a colocou em cima de todas as outras. Assim foi formado o primeiro monumento sobre seu túmulo. Este é um dos motivos para o costume de se colocar uma pedra sobre um túmulo após visitá-lo.
  • Quando Sir Moses Montefiore remodelou o túmulo, a tranca de ferro na porta foi feita com chaves especiais. Diz-se que estas chaves ajudam nos partos difíceis, e mulheres que vão dar à luz, tanto judias quanto árabes, a colocavam sob o travesseiro. Depois que o túmulo foi liberado em 1967, o Rabino Chefe de Israel, Rabi Goren, entrou em cena. Um árabe saiu e deu uma das chaves a Rabi Goren, e esta permanece em sua família até hoje.
  • Chaim Silberstein de Arutz Sheva contou a história de como o Túmulo de Rachel foi salvo das investidas dos palestinos: “Durante o governo de Rabin, o túmulo de Rachel foi classificado como pertencente à ‘Área A’, sob total controle civil e militar árabe. Ao ver isto, o membro do Knesset Chanan Porat decidiu que devia falar com Rabin na esperança de que ele mudasse de idéia. Quando Chanan Porat estava se dirigindo ao gabinete de Rabin, o membro do Knesset Rabi Menachem Porush perguntou aonde ele estava indo. Ao saber que Porat estava a ponto de lutar pelo Túmulo de Rachel, Porush pediu para participar da reunião. No gabinete de Rabin, Porat explicou diligentemente a situação sob o ponto de vista da segurança no Túmulo e apresentou argumentos racionais que não pareceram demover Rabin. “De repente Rabin olhou para Porush e viu que este estava chorando. Porush segurou as mãos de Rabin e com lágrimas rolando pelas faces, disse: ‘Yitschak, é Mamãe Rachel, Mamãe Rachel.’ Naquele momento o coração de Rabin foi tocado, e ele alterou o mapa para que o Túmulo de Rachel pudesse permanecer em mãos judaicas.”
  • Quando a esposa de Sir Moses Montefiore, Judith, faleceu, ele construiu um mausoléu que é uma réplica do Túmulo de Rachel. Localizado em Ramsgate, no sul da Inglaterra, onde eles moravam, agora contém o túmulo dos dois.

Atualmente

O Túmulo de Rachel fica a pouca distância de Jerusalém. É completamente cercado por muros e somente ônibus e vans à prova de balas têm permissão de passar pelas barreiras de concreto com 5 metros de altura que levam ao Túmulo. A cada poucas horas um ônibus Egged à prova de balas chega ao posto de controle no caminho para Bethlehem, e então recebe uma escolta armada. Dois minutos depois, o ônibus chega ao complexo do Túmulo e os passageiros desembarcam dentro de uma estrutura totalmente fechada.

Dentro da fortaleza, a pequena sala antiga em formato de domo, dominada pelo grande monumento coberto por tecido, conserva uma atmosfera aconchegante. Homens e mulheres, em partes separadas da sala, se aproximam do monumento coberto por panos e sussurram seu segredo e seu sofrimento à “Rachel imeinu”.

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
3 Comentários
1000 Caracteres restantes
Joyce Rodrigues 16 Maio, 2016

EU AMO ESSA HITÓRIA!! RESPIRO ELA !!! Reply

Delvanci Sarmento 3 Abril, 2014

Baruch Hashem, linda história. Reply

Neusa Carla Ferreira S. José dos Campos, SP/Brasil 5 Março, 2013

O Túmulo de Rachel Raquel foi um grande exemplo, tanto para o povo judeu como para o mundo. Quem me dera ter conhecido essa grande mulher. Reply